17 julho 2012

O que eu achei de : A filha da minha mãe e eu - Fernanda Guerreiro

Sensível e tão real a ponto de fazer você se sentir parte da família, A filha da minha mãe e eu conta a história do difícil relacionamento entre Helena e sua filha, Mariana. A história começa quando Mariana descobre que está grávida e se dá conta de que, antes de se tornar mãe, é preciso rever seu papel como filha, tentar compreender o de Helena e, principalmente, perdoar a ambas. Inicia-se, então, uma revisão do passado – processo doloroso, mas imensamente revelador, pautado por situações comoventes, personagens complexos e pequenas verdades que contêm a história de cada um.





ISBN: 9788563219152
Editora: Novo Conceito
Páginas: 272
Classificação: 5/5
Onde comprar: Compare



   O que falar do livro?!?! Começar a falar dele é complicado, pois foi um livro que prendeu muito a minha atenção. Eu me vi por várias vezes dentro da história de Mariana, quando ela mostra o seu problema de relacionamento com sua mãe, o ciúmes de sua mãe quando ela se aproximava do pai.
    Durante a leitura do livro passou um filme na minha cabeça, um filme real e que por sinal fiz e faço parte dele. Foi uma leitura meio que me vendo como no lugar de Mariana, as implicâncias da mãe, a "falta de carinho" coisas do tipo... Mas vamos ao que eu achei do livro em si!
     O livro, como vocês já sabem, traz a história da família de Mariana e alguns problemas comuns a várias famílias no mundo. A história trabalha desde a formação de família de forma peculiar, o casamento de dois jovens que pareciam apaixonados, a chegada de um filho "não-legitimo" (apesar de eu sempre achar que pai e mãe é quem cria", e a chegada de uma filha que em alguns casos é vista como uma estranha e uma pessoa que pode roubar o carinho de algum membro da família. Além de trabalhar a separação dos pais, e como os membros da família lidam com esse fato e com as surpresas que acontecem quando verdades começam a aparecer do nada. Afinal, mentira tem perna curta, né?!?!
     Eu gostei da narrativa, gostei da forma como os fatos foram expostos. A autora soube trabalhar os detalhes que prendiam a história, soube trabalhar cada fato no seu momento exato fazendo com que o leitor se sinta intrigado em saber o que irá acontecer posteriormente. Foi uma leitura rápida, no meu caso, por ter trechos que se encaixavam no meu cotidiano.
        Recomendo a leitura, não somente ler por ler... Mas uma leitura com uma certa atenção, pois são em acontecimentos como os ocorridos durante a narrativa podemos perceber como não proceder em nossa família, como não agir com os filhos e como lidar com problemas familiares.
          Separei alguns trechos que me marcaram durante a leitura, espero que vocês gostem!     


QUOTES:

"Por alguns segundos, quis estar na pele do meu irmão. Ter enfrentado minha mãe sem medo de magoá-la. Ter levado aquele tapa. Ser alvo de sua proteção. Sentir que o amor perdoa. Saber que sou sua filha e, ela, a minha mãe. Algo simples assim". Pág 61                                                                                                                                                

"Hoje sei que na cabeça dela isso significava colocar limites, dizer o que é certo ou errado e proteger como uma mãe tem obrigação de fazer. E, como para ela, ser amigo não exigia essas coisas, ela jamais seria minha amiga. Pena que ela não sabia que dava para ser as duas coisas ao mesmo tempo[...]" Pág 64                             
"Mas relacionamento não é uma questão de merecimento. E eu já deveria saber disso".
"Fazendo análise, acabei descobrindo que existe o Complexo de Electra. Em poucas palavras, é um sentimento que, segundo algumas doutrinas psicanalíticas, oda filha tem com a mãe. Resumindo, a menina se identifica tanto com a mãe que quer, inconscientemente, tirá-la de campo para ficar só para ela".
" Quando vi as duas listras azuis no teste de gravidez, tive uma certeza: preciso me sentir filha antes de me tornar mãe. Porque uma parte da minha alegria era inventada e, a outra, não era minha".








Nenhum comentário:

Postar um comentário